Sputnik: 58 anos de seu lançamento

Há exatos 58 anos, o mundo se abalava
com a notícia de que a União Soviética lançava o primeiro satélite artificial
produzido pela humanidade, o Sputnik-1. Ficou em órbita durante 92 dias
perdendo contato com a Terra 22 dias depois do lançamento. O satélite
possibilitou a dedução da densidade da atmosfera superior pelo seu arrasto
durante a órbita e também trouxe algumas informações sobre a ionosfera
terrestre.
O fato começava a Era Espacial forçando
os EUA a investir pesadamente em ciência e educação para conseguir alcançar a
União Soviética na conquista do espaço. Dois meses após o lançamento do
Sputnik, os EUA desesperadamente tentam lançar seu próprio satélite, o que
seria o primeiro do programa Vanguard, porém com pouco sucesso, o foguete
lançador explode após voar 1,2 metros sobre a plataforma. Só conseguem lançar
seu próprio satélite (o Explorer 1) em fevereiro do ano seguinte (1958) e antes
disso os soviéticos lançavam o seu segundo satélite, o Sputnik-2.
            Esse
feito e muitos outros refutam a ideia de que não são possíveis os avanços
científicos e tecnológicos no socialismo. Ao contrário, mostram a superioridade
de uma ciência voltada para o povo. Reforçam claramente o quão transformadora é
a força de uma sociedade que rompa com o poder da burguesia, como foi na URSS.
Deixou de ser uma nação semi-feudal das mais atrasadas da Europa para chegar à
fronteira do conhecimento da humanidade além de se tornar a segunda potência
industrial do mundo à época