Outro lutador social assassinado no México: agora em Oaxaca

No dia 9 de Dezembro no município de Matías Romero, o companheiro Urbano Rodríguez Homobono, militante da FUDI (Frente Única de Defesa Indígena), uma das organizações que compõe a frente de massas dos comunistas no México, foi brutalmente assassinado a golpes.


Isto se deu no contexto de um conflito no
qual os companheiros indígenas haviam organizado um serviço de transporte
público com mototaxis, para superar os abusos da máfia do transporte encabeçada
por Guadalupe Ortíz Morales,
militante do PAN (Partido Acción Nacional) no estado de Oaxaca. São abusos como
tarifas arbitrárias, assaltos e abusos sexuais, etc.

Desde domingo, dia 8, a máfia do transporte
vem reagindo com violência à organização comunitária do transporte aglutinada
na FUDI utilizando da perseguição à mão armada, o que fez com que os habitantes
de Matías Romero saíssem em defesa dos companheiros. Foi por volta de meio dia
que caiu brutalmente assassinado o nosso companheiro que foi espancado de
maneira selvagem até a morte, diante do olhar passivo e cúmplice da polícia
estatal.

Esse feito vem a confirmar a política do
Estado Mexicano que nos últimos anos persegue, reprime e assassina lutadores
sociais. Esse crime é produto da negligencia criminosa com que tem se conduzido
esse governo dos monopólios encabeçado pelos três principais partidos burgueses
do país.

No próximo dia 19 de Dezembro, a frente de
massas do Partido Comunista do México, a FIR, levará às ruas seus militantes
para sabotar a audiência pública do governador Gabino Cué, onde pretende
vangloriar-se da atenção às demandas sociais. A Frente exigirá a destituição de
todos os secretários relacionados e a punição dos responsáveis por esse ato
criminoso.

O companheiro Urbano Rodriguez Homobono é uma
vitima a mais da impunidade que reina em nosso país, onde os partidos políticos
da burguesia, os poderes da União, e demais organismos governamentais promovem
os conflitos entre comunidades para efetuar as piores manobras de eliminação da
oposição política.

Chamamos também a atenção sobre o fato de que
no dia de abertura do Festival Mundial da Juventude e dos Estudantes (FMJE), um
militante da Liga da Juventude Comunista (LJC), o companheiro Henrique López
Gutiérrez, dirigente sindical no ramo das telecomunicações foi interceptado
pelo exército federal enquanto viajava em um automóvel. O companheiro foi submetido
a um interrogatório, teve seu celular e computador apreendido para espionar
seus contatos, além de ter sido ameaçado para que deixe a luta.

Com indignação e nojo, o Partido Comunista do
México, a Liga da Juventude Comunista, a Federação dos Trabalhadores
Independentes e a Frente de Esquerda Revolucionária seguirão lutando para
forjar acordos de organização e luta entre as massas populares, para organizar
e elevar a consciência de classe dos trabalhadores do país. Não interromperemos
nossa atividade até ver esse governo de fome e miséria derrotado, abrindo as
portas para um novo México.
Proletários
de todos os países, uni-vos!
Nota
distribuída no dia 10 de Dezembro pela Liga da Juventude Comunista do México
durante o FMJE em Quito, no Equador.
Tradução: Juventude
Comunista Avançando (JCA)