Eleições em Cuba – Miguel Díaz-Canel assume a presidência de Cuba

A Assembleia Nacional do Poder Popular indicou, no dia de ontem (18/04), o nome de Miguel Díaz-Canel para a Presidência do Conselho de Estado da República de Cuba. O novo presidente, que toma posse hoje, é o primeiro nascido após a vitória dos revolucionários cubanos, em 1959, a assumir a presidência, em um importante processo de renovação dos quadros políticos.

As eleições em Cuba fazem parte de um grande processo de mobilização, não sendo o principal, mas sim uma parte da consolidação do poder popular no país. Apesar de a propaganda da grande mídia (umbilicalmente ligada ao imperialismo) insistir na difamação das eleições cubanas, não há país com processo mais aberto e direto. Os representantes são escolhidos a partir de suas bases, em assembleias organizadas nos locais de moradia e trabalho, com alto índice de comparecimento (mesmo a participação sendo facultativa), promovendo amplos debates acerca da revolução, do contexto social e da vida material dos cubanos.

Após os processos locais, há uma ratificação da lista de representantes indicada à Assembleia Nacional do Poder Popular. Este é um dos momentos em que a mídia burguesa aproveita para destilar seu ódio contra o país, propagandeando que o processo eleitoral é “marcado”, “viciado” ou que “apenas militantes do Partido podem concorrer”. Afirmações absurdamente falsas! Diferentemente das democracias burguesas, que impõem uma série de condições para que o cidadão postule um cargo na política institucional, em Cuba o processo nas bases é aberto a qualquer pessoa que possa assumir a tarefa de participar da Assembleia (sendo do Partido Comunista Cubano ou não!), sendo que o cargo não lhe dá privilégio algum sobre os demais, bem como a campanha é feita de modo simples e sem necessitar de marqueteiros e ilusões midiáticas. As eleições são, portanto, um momento de celebração do pleno funcionamento de todo o processo, contando com índices altíssimos de comparecimento (muito maiores, inclusive, do que nas eleições brasileiras, onde o voto é obrigatório).

Depois de todo este processo, que se iniciou em novembro do ano passado, Díaz-Canel foi eleito o Presidente do Conselho de Estado, o que o torna chefe de governo e de estado. Deputado pelo município de Santa Clara, o novo presidente cubano, integrava o cargo de vice-presidente do Conselho e foi, em sua juventude, primeiro secretário da Unión de Jóvenes Comunistas, sendo amplamente conhecido pela população e tendo provado estar à altura da responsabilidade que o cargo lhe exige.

 

Viva o processo verdadeiramente democrático!

Viva a Revolução Cubana!