A Perseguição aos Movimentos Sociais – Não nos calaremos!

Em
Julho de 2013 vimos o explodir de diversos movimentos de massa pelo país. O
crescente custo de vida foi um dos fatores que levou milhares de pessoas às
ruas pelos protestos que, inicialmente, contestavam o aumento dos preços de
ônibus. Logo em seguida, tivemos os protestos em oposição aos altos custos e as
contradições da realização da Copa do Mundo de Futebol em território brasileiro.
Em
ambos os momentos, a repressão policial manifestou-se com muita força. Diversas
pessoas ficaram feridas e registrou-se centenas de abusos policias, cujos
processos no Ministério Público não foram levados adiante até hoje. Entretanto,
a criminalização do movimento social foi levada adiante. Hoje, pessoas ainda estão
sendo indiciadas por dano ao patrimônio público e privado e, como se não
bastasse, associação em quadrilha armada.
Os
inquéritos policiais, que professaram tais absurdos, foram aceitos pelo
Ministério Público e acolhidos pelo Judiciário. A primeira audiência do
processo será realizada na capital gaúcha, no dia 21 de Fevereiro (Terça
Feira).
Nos
últimos dois anos, acelerando-se com o desenrolar do Golpe de Estado, temos
visto uma crescente repressão aos movimentos populares. Seria um erro de
leitura da realidade, considerar que esta criminalização (antes nas ruas, agora
com a faceta jurídica) é apenas contra os indivíduos processados. Não. Quem
está no banco de réus é a totalidade dos lutadores e lutadoras. Este é um dos
primeiros testes do sistema de repressão neste novo período político no Brasil.
Esta
concepção deve estar consonante com a análise da realidade: o presidente Michel
Temer acaba de anunciar no Twitter presidencial (e confirmada pela grande
mídia), que o Exército Brasileiro pode ser acionado para cuidar de
“qualquer hipótese de desordem”. Estamos adentrando em uma fase da
rapinagem burguesa que, se deixarmos ocorrer qualquer tipo de criminalização de fato contra um ou outro companheiro
de luta, estamos legitimando a perseguição estatal e estabelecendo uma
verdadeira caça às bruxas de todos aqueles que não aceitarem as diversas e mais
horrendas contrarreformas que ainda enfrentaremos. Basta lembrar que Guilherme
Boulos também foi detido por acusações absurdas quando tentava negociar com a
polícia.
                Desta
forma, prestaremos solidariedade máxima aos companheiros processados!
                Não
os deixaremos sozinhos enquanto encaram a farsa do processo penal!
CONTRA
A CRIMINALIZAÇÃO DOS MOVIMENTOS SOCIAIS!
NO DIA 21, TERÇA FEIRA,
DEVEREMOS PEDIR PELA INOCENTAÇÃO DOS COMPANHEIROS E REIVINDICAR O TRANSPORTE
PÚBLICO DE QUALIDADE SEM AUMENTO DA PASSAGEM. TODOS NO ATO!